segunda-feira, julho 18, 2016

Pink living on the Edge

Prometi à D, Chique  Ana que ia contar umas aventuras com trapalhadas minhas durante esta semana.
Não se leram esta aventura que fala sobre um amor platônico meu dirigido a um rapaz de Quarteira.
Esse amor , era tão intenso que eu envolvia as minhas amigas e o best friend e os amigos do best friend, sendo que todos o conhecia, por "fofo" mas ninguém o tratava assim em pessoa.

Ora bem, Sábado à noite, fui vestir-me, maquiar-me e toda a traquitana que a noite de Albufeira pede, para a casa da minha amiga Dinora. Nessa noite o meu rico pai decidiu emprestar-me um carro de uma empresa onde trabalhava, sem rádio e sem travão de mão. A Dinora , moça despachada, arranjou um walkman e umas colunas. O walkman ficou na consola central, uma coluna nos manômetros e outra na consola em frente ao passageiro (o carro era de 2 lugares). A noite correu como normal, e chegou a hora de irmos para a discoteca do casino de Vilamoura onde o Fofo estaria.
E estava! Estava o best friend , os amigos do best friend que me avisavam de todos os movimentos do Fofo mas aquilo não me chegava. os amigos do fofo também estavam atentos ( a modos que a proteger) a todas as movimentações da malta de Albufeira...

Chegadas as 6:30 o dia chegava e o fofo ia a sair, a dinora diz:
"pink tu não te ponhas com coisas"
Ao que eu prontamente respondo:
"Eu só quero ver se ele chega bem a casa"
Dinora: "eu recuso-me, eu entro na mala do carro e ninguém me vê!"
 E eu disse: " E com quem estiveste tu toda a noite?"

saímos, e eu vejo que o carro do fofo já ia a meio do parque do casino quase vazio, a Dinora, ia à frente mas de cócoras no sítio dos pés do passageiro aos gritos " se me acontece alguma coisa, pink, a minha mãe mata-nos!", "Nunca mais saio contigo", "Deixa o gajo, ele é horrível" (bem que ofensa!).

eu começo a acelerar e nem dei por nada, subi um passeio, , desci, subi outro, desci, as colunas caem, uma aterra na cabeça da Dinora, praticamente fiz o parque em linha recta quando aquilo tem 2 sentidos e rotundas e passeios para contornar.

Chego ao fundo da rua e vejo a traseira do carro do fofo a virar. a Dinora, senta-se no banco, " estás satisfeita? Estás? Partiste o carro? "

Fomos em silêncio e de repente a Dinora diz: "Porra pá, eu confesso, não há nada como sair contigo, tenho o fim de semana acabado, vamos já começar a planear a fatiota de Sábado"

A próxima é amanhã...

O que quero, quando eu quero, aceitas?

10 comentários:

  1. Que perigo!!! Levas tudo á tua frente!!! LOLOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aquele homem eu fazia tudo! ih ih ih

      Eliminar
  2. Arrumem-se a Pink vai a passar :D

    ResponderEliminar
  3. TEM TUDO A VER COM A GRANDE PUTA QUE TU ÉS...PORCA...VAGABUNDA O TEU HOMEM DEVE PARECER UM VEADO.

    ResponderEliminar
  4. Tu não tiveste culpa de ela ter levado com as colunas na cabeça. Ela é que não tinha de ir agachada, olha! :P
    Quarteira? Não conheço naaada e nuuuunca lá passei férias! :P

    ResponderEliminar
  5. Ela não anda...ela desfila!!!!
    Amigos são para essas coisas!!!

    ResponderEliminar
  6. Lool muito bom, coitada da Dinora e do carro :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coitada? Ela divertia - se imenso... 💗

      Eliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.