quarta-feira, julho 20, 2016

Hoje não há história, há tema

Hoje lembrei-me de falar nas relações entre as pessoas. Relações essas que podem ser em muitos formatos, e, por mim, desde que estejam felizes, tudo bem.
A minha grande questão prende com o facto de outros se sentirem incomodados e desconhecerem por completo, que a palavra amor tem um sentido muito amplo, que se estende, portanto, depressa surge a inveja, o ciúme...
Outra grande questão é falta de aceitação , notem que eu nem falei em compreensão mas sim em aceitação. Aceitem, mesmo que não compreendam.


O que quero, quando eu quero, aceitas?

5 comentários:

  1. A nossa vida tem dois administradores.
    Eu e Eu.
    A opinião dos outros ou a aceitação dos mesmos é de menos.

    ResponderEliminar
  2. Bom texto! Há que aceitar cada qual como é. Não "podemos" ser todos iguais.
    Mas por vezes, damos conselho/lição, aos outros, quando nós próprios não conseguimos ter essa aceitação ou compreensão. Falando no geral, claro.

    Beijoos
    Anjinha Sexy

    Visite-nos: Prazeres e Carinhos Sexuais

    ResponderEliminar
  3. A aceitação parece ser um conceito pouco familiar para muitas pessoas, principalmente quando é algo diferente do mundo delas, e devia ser um dos mais instalados. É muito mais fácil julgar do que aceitar, então compreender, pior... Que critiquem e que se incomodem, a vida é nossa e de mais ninguém!!

    ResponderEliminar
  4. Belo texto... em algumas culturas, a palavra aceitação tem raízes muito interessantes.
    Em árabe, a palavra aceitação tem a mesma raiz que doação, amor e complacência.
    Interessante não???

    ResponderEliminar
  5. Se cada um se preocupasse mais em amar do que em odiar os que amam fora dos moldes ditos normais (ainda que esteja difícil para os grandes pensadores definir o conceito de normalidade...), talvez o mundo fosse um lugar mais agradável. Cabe-nos a nós dar o nosso contributo e aceitar as formas de amor que nos parecem naturais, mas que boa parte da sociedade ainda considera bizarras.

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.