quarta-feira, julho 06, 2016

Erasmo de Roterdão

O espírito do homem é feito de maneira que lhe agrada muito mais a mentira do que a verdade. Fazei a experiência: ide à igreja, quando aí estão a pregar. Se o pregador trata de assuntos sérios, o auditório dormita, boceja e enfada-se, mas se, de repente, o zurrador (perdão, o pregador), como aliás é frequente, começa a contar uma história de comadres, toda a gente desperta e presta a maior das atenções.
Como é fácil essa felicidade! Os conhecimentos mais fúteis, como a gramática por exemplo, adquirem-se à custa de grande esforço, enquanto a opinião se forma com grande facilidade, contribuindo tanto ou talvez mais para a felicidade. Se um homem come toucinho rançoso, de que outro nem o cheiro pode suportar, com o mesmo prazer com que comeria ambrósia, que tem isso a ver com a felicidade? Se, pelo contrário, o esturjão causa náuseas a outro, que temos nós com isso? Se uma mulher, horrivelmente feia, parece aos olhos do marido semelhante a Vénus, para o marido é o mesmo do que se ela fosse bela. Se o dono de um mau quadro, besuntado de cinábrio e açafrão, o contempla e admira, convencido de que está a ver uma obra de Apeles ou de Zêuxis, não será mais feliz do que aquele que comprou por elevado preço uma obra destes pintores e que olhará para ela talvez com menos prazer?

Erasmo de Roterdão, in "Elogio da Loucura" (fala a Loucura)

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

7 comentários:

  1. Retribuindo as suas sempre tão simpáticas visitas, leio aqui um tema que me fez pensar um pouco. Aliás fez-me lembrar a cena: Uma casca de banana no chão onde escorrega alguém caindo desamparado. A 1.ª reacção de quem vê é dar uma gargalhada e só depois pensa: Será que se magoou? Sãi as contradições da vida e nada mais

    ResponderEliminar
  2. Pink.. a cada um o seu "cada um"....
    A obra trata da loucura dos seres humanos... haja loucura!!!

    ResponderEliminar
  3. A relatividade da vida aqui tão bem descrita,afinal,tudo é bem relativo,logo sejamos loucos,e não percamos tempo com quem se julga são.

    Beijoca grande amiga linda ;)

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito de te ver pensar assim nos dias que correm. Temeria muito por ti se pensasses de tal forma há 500 anos atrás. Ainda assim, és vista como herege por muitos. Não faz mal. Eu gosto de ti na mesma :)

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.