quarta-feira, julho 27, 2016

Bom dia Ó Fortuna

O que quero, quando eu quero, aceitas?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.