domingo, julho 31, 2016

sábado, julho 30, 2016

sexta-feira, julho 29, 2016

Bom fim de semana em equipa

O que quero, quando eu quero, aceitas?

Um debate ou uma verdade?


Acabei de ir a  ,mais um, aniversário, falei com uma rapariga, que durante 10, DEZ anos trabalhou e estudou para ajudar a mãe viúva a cuidar dos irmãos um deles com deficiência grave. Conheço bem a escola onde o tentaram inserir e se eu soubesse que uma direcção camuflava que uma criança com a deficiência dele partia janelas e agredia outras , apenas porque queria investir em novos equipamentos e não nos alunos, chegando a ter um acamado nas salas de aula... Começava a denunciar pela hierarquia toda, nem que chegasse a Bruxelas. 
Hoje comprei a Happy, não a compro muitas vezes no entanto cada vez que a compro encontro algo muito interessante: 5 ou 6 páginas acerca de viver com alguém com tendências suicidas e cair no mesmo por arrasto (desgaste emocional).
De seguida uma página de biquinis e cremes... Que interessa isso ? Será que não podemos ser minimalistas até na forma de pensar? Pensar em dar o que temos, se lavamos sanitas, que sejam as mais brilhantes e cheirosas, se estamos atrás de um balcão que o nosso sorriso seja o melhor para os clientes, se somos técnicos especializados, que sejamos bons a aplicar os conhecimentos. 
Francamente, gozam-me por ter 2 cursos superiores? Mais um de estética? Por ter sido bancária? Por ter treinado Krav Magá? Então mas eu nasci para vir cá ver a bola e pôr cremes de 200, 100, 300€ no corpo? 
Não, estou cá para amar, quem e me faz mal, recebe o que me dá mas de uma outra forma, ou dez vezes pior ou nem ligo, directo para Ministério Público, peixeiradas não são o meu forte, estalos a menores muito menos. 
Este Verão (Agosto )talvez vá fazer voluntariado numa Associação que acolhe crianças sexualmente abusadas. Só me vai fazer bem, crescer. 
Deixemos os homossexuais ser felizes, os casais (casais mesmo) com diferentes idades serem felizes, não traiam, acabem em paz, haja diálogo. 
Não se magoem, ajudem-se.


O que quero, quando eu quero, aceitas?

quinta-feira, julho 28, 2016

Recebi isto

No face, de um amigo dos blogs muito bem humorado , alguém adivinha quem?


Dizia qualquer coisa como Pinko is the Boss


O que quero, quando eu quero, aceitas?

Nice sex, stay


Fica. Tive um sonho em que ficavas. Embriaga-te em mim, no suor do meu corpo, lambe o meu corpo de uma ponta à outra, com honestidade, com fome, tem fome de mim, é uma ordem. Prende-me, cega-me, aumenta os meus sentidos e devora-me sem que os meus sentidos se apercebam...
Percebes? Quando digo não é um sim, quando digo talvez é um não. Onde moras tu? Espaço vazio, espaço em branco, espaço para preencher? Lacuna? lacuna cor de rosa?
Bebe um Porto e voa comigo. Espaço oco. Espaço infinito. Encontremos, portanto a nossa linha. o nosso espaço...


O que quero, quando eu quero, aceitas?

Bom dia com Bolero

O que quero, quando eu quero, aceitas?

quarta-feira, julho 27, 2016

terça-feira, julho 26, 2016

Estou a dever-vos visitas

mas tenho tido uns dias difíceis. Também não vivo sozinha e não vou ignorar o meu marido...
Decerto sabem que não vos esqueço.
Estou amuada com o blogger até ele me deixar seguir blogs como  link os blogs .
Quinta, ou amanhã à tarde. Ponho a escrita em dia.
Gosto-vos a todos meus queridos/as.


O que quero, quando eu quero, aceitas?

Louco

Loucos são aqueles que mais sentem, que mais amam e odeiam e que mais pensam

Saberás tu se és louco ou se o queres ser nessa tua concha de loucura?
Pessoa, fumava ópio por ser um lutador e um louco é um lutador, não!
Digo eu

Ser louco é bom, tem-se a desculpa, tem-se o vazio. Têm-se as insónias.
Mudar para que, se ser louco é tão bom?

Melhor é esperar que a mudança chegue e mude! Faça sorrisos rasgarem nas faces, faça os corpos presentes terem também as mentes presentes. A mudança tapa os buracos nas almas, faz as noites em claro desaparecem…

O que quero, quando eu quero, aceitas?

Bom dia Incondicional (umas das minhas palavras favoritas)

O que quero, quando eu quero, aceitas?

segunda-feira, julho 25, 2016

3 fases





O que quero, quando eu quero, aceitas?

5 Grandes filmes sobre distúrbios psicológicos


1.     A cova da serpente (Anatole Litvak, 1948)

(Este filme é baseado em um best-seller autobiográfico escrito por Mary Jane Ward em 1946, onde relata as experiências que viveu quando foi internada num manicômio público.)

2.     O Pescador de Ilusões (Terry Gilliam, 1991)

Nesta comédia dramática Jack Lucas (Jeff Bridges) é um arrogante locutor de rádio que costuma insultar os ouvintes que ligam para o seu programa e acaba levando involuntariamente um ouvinte a cometer um massacre num bar, onde mata sete pessoas. A culpa, associada ao seu narcisismo.  a um stress: ele deixa seu trabalho no rádio e se torna um homem amargurado.

3.     Benny e Joon- Corações em conflito (Jeremiah S. Chechik, 1993)

O cinema nos presenteou com algumas comédias românticas onde existe muito amor entre pessoas com transtornos psicológicos. Benny e Joon são a prova disso: Benny (Aidam Quinn) cuida da irmã Joon (Mary Stuart Masterson), que sofre de esquizofrenia. Depois de perder uma aposta em uma mesa de pôquer, são obrigados a conviver com Sam (Johnny Depp), um rapaz mimado e extravagante. Mas Sam, com seu jeito especial, acaba transformando as suas vidas e Sam e Joon acabam se apaixonando um pelo outro.

4.     Donnie Darko (Richard Kelly, 2001)

 A ficção científica também tira proveito das possibilidades oferecidas pela falta de estabilidade mental na criação de mundos fantásticos nesta história de realidades paralelas e viagens no tempo. Protagonizado por Jake Gyllenhaal, Drew Barrymore e Patrick Swaze, conta as experiências incomuns de um adolescente esquizofrênico e sonâmbulo (interpretado por Gyllenhaal), que tem uma grande imaginação e inteligência.

5.     O abrigo (Jeff Nichols, 2011)

É um filme dramático e de suspense que conta a vida de Curtis LaForche, um pai de família que vive em uma pequena cidade de Ohio com sua esposa e filha.Curtis começa a ter sonhos estranhos e apocalípticos e, enquanto a sua vida desmorona, decide construir um abrigo contra tempestades no quintal da sua casa.As suas visões e seu comportamento cada vez mais estranho o fazem questionar se o verdadeiro motivo da construção do abrigo é proteger a sua família dos perigos que pressente ou de si mesmo.


O que quero, quando eu quero, aceitas?

Amor como memória

Jamais faças de mim uma pessoa triste com rotinas.
Jamais faças de mim, aquela que não tem prazer em estar em casa à tua espera.
Deixa-me antes disso.
Diz-me que é o fim antes disso.
Porque prefiro acabar no estrelato do que na desgraça-
A amor no seu melhor sempre. Esta será a melhor memória.


O que quero, quando eu quero, aceitas?

Boa semana com Pink

O que quero, quando eu quero, aceitas?

domingo, julho 24, 2016

Bom Domimgo (PDR, boa guitarra)

O que quero, quando eu quero, aceitas?

O meu Pinko

Achou por bem tê-los a todos debaixo da asinha dele:

Arranjou o boneco mais feio da net e é seguidor (já que eu ainda não consigo seguir o meu Lápis querido) de vós meus queridos . Nada temeis, ele não é ciumento e raramente aqui vem mas sabe da vossa existência pois passo muitas viagens nossas a falar de vocês...




O que quero, quando eu quero, aceitas?

Recado para o Jorge

Voltaste e nem disseste  olá.

Na verdade algures neste blog, está um print screen na sacanagem que me fizeste há uns anos.
Quem regressa  cumprimenta quem ficou a torcer por ele. Eu fiquei.
Agora?

E tens os meus números, os dois pessoais!!!

O que quero, quando eu quero, aceitas?

sábado, julho 23, 2016

Outra vez campeões (mundiais de Vela)

Desta vez mundiaisde vela. Parabéns Irmãos Costa!!!

O nosso PR não tem feito outra coisa que é entregar medalhas, muito bem!



O que quero, quando eu quero, aceitas?

Alguns dos meus seguidores

com a nova modalidade de "bastar clicar" para seguir, eu não consigo, aparentemente estou cheia de cookies e merdinhas que etenho que resolver com o blogger e comigo. Ontem, eu e o pinko, decidimos, estar lado a lado, com as contas abertas e ver quais as diferenças das definições da minhas para a dele.

Farto de não conseguirmos, ele decidiu tomar alguma iniciativa.

Aqui está...




O que quero, quando eu quero, aceitas?

Bom dia com wonderwall

O que quero, quando eu quero, aceitas?

sexta-feira, julho 22, 2016

Blogo sugestão muito importante

Duas pessoas que ultrapassaram a anorexia nervosa, expõem a história delas e respondem às nossas perguntas, uma delas, é-me muito querida a
Lady (ou Vânia) ...


 http://vitorianaanorexia.blogs.sapo.pt/

Gostava do vosso contributo!!! Foi preciso coragem delas

O que quero, quando eu quero, aceitas?

Aventura de sexta Feira, ida ao wc sem luz!

Agora que melhorei um pouco dos maus dias que tive, passo-vos a contar o seguinte:

Eu e a filha da minha primeira  madrasta (aquela que se esbardalhou no lodo comigo)  tínhamos um quarto todo pipi embora só de 15 em 15 dias o usássemos e nas férias. Como o espaço não era muito, optámos por ter uma mesa de cabeceira entre as duas camas. o espaço entre camas era mais ou menos 1 metro.
Eu não sou nada de ir à wc durante a noite mas a T. era. Portanto , certa noite, acordei com a luz do enorme candeeiro que tínhamos na mesinha entre as camas e apaguei a luz.
A T. tinha ido à casa de banho , e tinha medo do escuro, quando apaga a luz da wc procura pela luz do quarto para se guiar e pensa: " porra, a luz?" e pensou: "Eu conheço bem a casa, vou a correr e entro no quarto, atiro-me para a cama e estou a salvo"

De repente, todos acordamos com um estrondo enorme!

O meu pai, a minha madrasta e eu estávamos todos parvos a olhar para T. estendida no espaço entre camas! Ela tinha corrido e tinha-se atirado mas uns centímetros ao lado e bateu com os braços e queixo na mesa de cabeceira e fez tombar o candeeiro!

No fundo a culpa foi minha...

O que quero, quando eu quero, aceitas?

Bom dia com hot legs

O que quero, quando eu quero, aceitas?

quinta-feira, julho 21, 2016

Eu, Pink, assumo



Imagem minha, sem direito a partilhas ,ver copyright
Quem diz a verdade não merece castigo e nada me faz arredar pé desta verdade! Falo de quê? Da nossa mente, impura, louca, insana e como eu adoro ser assim. Não me peçam meios-termos, não me peçam meias-palavras. deixa-te ficar nos meus braços e verás que só com um braço não ficas satisfeito.
Ficas satisfeito com meia queca? Meias verdades? Meio gelado?

Com certeza com  meia salada de frango ficaria. O TUDO, é isso: coisas más e boas. Deixa-te ficar nesses pensamentos carregados de dúvidas, quando não saber o que TUDO significa.

Nunca confesso, admito, digo o que fiz abertamente mal ou bem, promíscuo ou santo, (ameaças?, venham elas!) faço tudo (em todos os sentidos)... Meu Deus, sempre fiz o que queria, mesmo sendo proibida pelas autoridades familiares: tatuagens, carta de condução algo precoce, ensinar valores a crianças que não sabem, não ouvem falar na escola... Ou na escola quando a professora sou eu. Porque a tolerância e aceitação começa na escola, já que certas mães nunca o deveriam ser.


O que quero, quando eu quero, aceitas?

Bom dia com brilho!

O que quero, quando eu quero, aceitas?

quarta-feira, julho 20, 2016

Inside out

O que quero, quando eu quero, aceitas?

Hoje isto não está bom!



O que quero, quando eu quero, aceitas?

Três vidas


 Numa escuridão amiga, surgem as perguntas. Como mudas? Como se corta um cabelo longo e suave bem curto? Como se consegue sentir alguma coisa se a vida é sentida a olhar o relógio'
Frases feitas com imagens, puxam por nós, naquele momento, naquele instante... Depois, bebe-se o que se pode, injecta-se a veia que resta, tomam-se com os comprimidos que chamam por nós, conduzimos o mais rápido que conseguimos.
A busca da adrenalina, a busca daquela música que nos puxa para outro planeta... Nós deixamo-nos puxar, porque sim. Porque fugimos do que não gostamos ou porque ficamos e é a adrenalina de dizer as caralhadas todas na cara de quem não as gosta de ouvir. Quero que se dane! Eu, Eu, e Eu... Sugam de mim o que podem e eu não tenho nada por dentro? Sim, por algum tempo mas a revolta contra o errado está aqui... Não tenho 3 vidas para serem faladas ou vividas, tenho a minha, falem, critiquem e vejam o meu dedo do meio!


O que quero, quando eu quero, aceitas?

Hoje não há história, há tema

Hoje lembrei-me de falar nas relações entre as pessoas. Relações essas que podem ser em muitos formatos, e, por mim, desde que estejam felizes, tudo bem.
A minha grande questão prende com o facto de outros se sentirem incomodados e desconhecerem por completo, que a palavra amor tem um sentido muito amplo, que se estende, portanto, depressa surge a inveja, o ciúme...
Outra grande questão é falta de aceitação , notem que eu nem falei em compreensão mas sim em aceitação. Aceitem, mesmo que não compreendam.


O que quero, quando eu quero, aceitas?

Bom dia com motivação

O que quero, quando eu quero, aceitas?

terça-feira, julho 19, 2016

Aventura 2 Eu e a Ria Formosa Faro

desta vez fazemos um grande regresso ao passado e vamos aos meus 8? 10? anos... O meu vai , casado com a minha primeira madrasta, tentava com ela conciliar os fins de semana de 15 em 15 dias para que as filhas de ambos estivessem juntas. Foi efetivamente a única vez que senti o que seria ter uma irmã. 
Naquela altura o meu morada no primeiro andar de uma vivenda na ilha de Faro. Era Inverno e, para duas pitas esgroviadas era uma seca. eles tinha ido tomar café e a minha madrasta já nos tinha dado o banho coma roupa que "as outras casas" haviam, mandado para o Domingo. Decidimos ir dar uma volta pela zona da ria formorsa. Estava ali um cais com uma rampa e uma corda...A rampa era longa e estava cheia barcos junto à água e muito logo escorregadio. Depois tinha a corda.

Pink: Para que serve a corda? 
irmã: não sei bora saltar? 
pink: (porra sou sempre eu com as ideias do sim ou sopas), bora lá mas vamos de mãos dadas!

Corremos saltámos e ... escorregámos de toda a forma e feitio deitadas , de barriga para baixo, "não me largues " dizia a mana", não me largues dizia eu"... Só paramos à beira mar.
Completamente verdes e ainda patinámos muito para subir, nós nem chorávamos, era assim uma espécie de muro das lamentações de ogres marítimos.
A minha madrasta, espetou-nos logo duas chapas do rabo e mandou.nos para a banheira:
" E AGORA? O QUE É QUE EU VOS VISTO? EU VOU DESENCONTRAR OS VOSSOS FINS DE SEMANA, PARECEM, PARVAS AS GAIATAS"
O meu pai ria-se...


O que quero, quando eu quero, aceitas?

De uma pessoa que foi vítima e é das haters, vale a pena ler

E visitem o blog, escrevem soberbamente bem!!!

Ora aqui está

A dos haters costuma zeroooooooooooo.




O que quero, quando eu quero, aceitas?

Suicidio


Toda sociedade apresenta uma série de temas tabu, isto é, temas que fazem parte da nossa realidade, mas que por serem dolorosos demais preferimos não conversar sobre eles. Mas ignorar um assunto não o torna inexistente.
Deveríamos debater mais sobre tudo o que aflige a raça humana, tentando entender as motivações de quem já pensou seriamente ou até mesmo já tentou cometer o suicídio. Se para muitos a depressão já é um tema constrangedor, imaginem falar sobre alguém que cortou os pulsos ou fez uma mistura inusitada de medicamentos?
Porém, a depressão é o mal do nosso século e em poucos anos muito mais pessoas serão acometidas por esta doença incapacitante, que faz o sol ficar preto e branco. Depressão não é o mesmo que tristeza. Embora, muitas vezes, uma grande tristeza ou perda possa desencadear um processo depressivo.
Depressivos precisam de ajuda médica, remédios, terapia, muito carinho e compreensão. Depressivos não precisam ser julgados ou ignorados. Depressão não é doença contagiosa, embora a convivência com alguém deprimido possa nos afetar, principalmente quando amamos profundamente esta pessoa.
Muitos depressivos pensam em acabar com a própria vida. Muita gente acredita que o suicídio é um ato de extremo egoísmo pois quem deseja se matar não leva em conta a perda que parentes e amigos irão sofrer. É importante ressaltar que o suicida não tem interesse em magoar. Ele simplesmente quer se livrar de uma dor que para ele é intolerável. Julgar um depressivo com vontade de se matar como um egoísta é um julgamento cruel. A percepção do suicida fica muito alterada pela doença e ele precisa ser amparado e amado.
Em fóruns da internet, pessoas pedem dicas de misturas de medicamentos que levam à morte. Algumas pessoas gentis tentam dar bons conselhos, acalmar o coração de quem está alimentando ideias mórbidas. Por outro lado, encontramos comentários de uma crueldade ímpar, em que os autores ridicularizam quem quer morrer.
Quem pensa seriamente em suicídio já está com a autoestima baixa. Ser ridicularizado o torna ainda mais vulnerável. A nossa sociedade precisa começar a entender que problema psicológico é coisa séria sim. Não se resolve depressão lavando roupa. As pessoas não deprimem por falta do que fazer. E é um mito dizer que quem afirma querer se matar, não vai se matar. Muita gente tenta sim o suicídio depois de expor o seu desejo com todas as letras.
Suicídio não é tema engraçado, mas também não deveria ser considerado um tabu. Faz parte da vida como o amor, a paixão, o medo. Também me parece um pouco precipitado taxar um suicida como um simples covarde que não aguenta os trancos da vida. Algumas pessoas por alguma razão que não conheço vem sem as blindagens necessárias para sobreviver à indiferença e à frieza do mundo. Somos preparados para engolirmos e negarmos a própria dor. Homem não pode chorar. Não pode ser sensível. Na verdade, deveríamos ser preparados para desenvolver o amor maior, a piedade, a compreensão que transcende as nossas crenças. Não é porque não sentimos uma dor ou um impulso que ele não possa existir no outro.
Deprimidos , bulímicos , anoréxicos, fóbicos são pessoas como outras quaisquer. Eles não são a sua doença. Confundir um depressivo com a depressão é o mesmo que definir alguém pela sua gastrite ou por sua faringite crônica. Atrás da doença, existe um ser humano extremamente sensível e cheio de qualidades que merecem ser apreciadas. Mas para que para tais qualidades voltem a brilhar, precisamos ajudá-los e amá-los com todo nosso coração.


© obvious: http://obviousmag.org/cinema_pensante/2015/07/vamos-falar-de-suicidio.html#ixzz4EmOLRj5x 
Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook

O que quero, quando eu quero, aceitas?

De criar (me)

 Estar no palco não é simples, Pergunto-me se no "meu" Monte Olimpo será mais fácil?
Fácil?
Nada fácil. Ser um deus grego exige perfeição, exige estar na palma das mãos de alguém.
Ou...
Tu..
Tu aí que me assistes, estás na palma da minha mão tal como um DJ prende
Grito.
Grito muito.
É essa a real forma de verem que existe aqui alguém que odeia o mundo em que vive?
Grande constantino, Grande Renascimento, depois disso o que restou para criar?
Eu.
A pink poison.
uma multidão, eu prendo-te como se fosses um X como  valor para descobrir por uma fração...





 que quero, quando eu quero, aceitas?

A aventura hoje é do outro lado...

http://frasespinkpoison.blogs.sapo.pt/aventura-2-o-monstro-verde-da-ria-52188

Vou alternado
Vão lá
Comentem
O rabo ~e meu, a revista não sei  lol



O que quero, quando eu quero, aceitas?

Bom dia para vocês que são lindos!

Sou o que quiseres... quando eu quiser.

Peço a vossa atenção para o seguinte

Embora existam imensas histórias acerca
do amor de Quarteira, ele acabou por namorar com uma (falsa) amiga minha e quando ela o deixou, ele não suportou o desgosto e suicidou - se.
Acredito que os mortos devem ser deixados descansar em paz.
Descansa em paz Rui.


O que quero, quando eu quero , aceitas?

segunda-feira, julho 18, 2016

Blogo sugestão

muitos já conhecem,  eu, conheci recentemente e estou extasiada com a cultura, poder de argumentação, beleza interior da "minha " Deusa, ela tem outros blogs que seguirão por opção.

Ela defende o amor ao próximo, ela tem sentido de humor, brinca e sabe que pode contar com poucos mas bons! Não diria que tem uma vida fácil mas tenta ter um sorriso na cara.

Tentem este link https://sublimespensamentos.blogspot.com.br

O que quero, quando eu quero, aceitas?

Pink living on the Edge

Prometi à D, Chique  Ana que ia contar umas aventuras com trapalhadas minhas durante esta semana.
Não se leram esta aventura que fala sobre um amor platônico meu dirigido a um rapaz de Quarteira.
Esse amor , era tão intenso que eu envolvia as minhas amigas e o best friend e os amigos do best friend, sendo que todos o conhecia, por "fofo" mas ninguém o tratava assim em pessoa.

Ora bem, Sábado à noite, fui vestir-me, maquiar-me e toda a traquitana que a noite de Albufeira pede, para a casa da minha amiga Dinora. Nessa noite o meu rico pai decidiu emprestar-me um carro de uma empresa onde trabalhava, sem rádio e sem travão de mão. A Dinora , moça despachada, arranjou um walkman e umas colunas. O walkman ficou na consola central, uma coluna nos manômetros e outra na consola em frente ao passageiro (o carro era de 2 lugares). A noite correu como normal, e chegou a hora de irmos para a discoteca do casino de Vilamoura onde o Fofo estaria.
E estava! Estava o best friend , os amigos do best friend que me avisavam de todos os movimentos do Fofo mas aquilo não me chegava. os amigos do fofo também estavam atentos ( a modos que a proteger) a todas as movimentações da malta de Albufeira...

Chegadas as 6:30 o dia chegava e o fofo ia a sair, a dinora diz:
"pink tu não te ponhas com coisas"
Ao que eu prontamente respondo:
"Eu só quero ver se ele chega bem a casa"
Dinora: "eu recuso-me, eu entro na mala do carro e ninguém me vê!"
 E eu disse: " E com quem estiveste tu toda a noite?"

saímos, e eu vejo que o carro do fofo já ia a meio do parque do casino quase vazio, a Dinora, ia à frente mas de cócoras no sítio dos pés do passageiro aos gritos " se me acontece alguma coisa, pink, a minha mãe mata-nos!", "Nunca mais saio contigo", "Deixa o gajo, ele é horrível" (bem que ofensa!).

eu começo a acelerar e nem dei por nada, subi um passeio, , desci, subi outro, desci, as colunas caem, uma aterra na cabeça da Dinora, praticamente fiz o parque em linha recta quando aquilo tem 2 sentidos e rotundas e passeios para contornar.

Chego ao fundo da rua e vejo a traseira do carro do fofo a virar. a Dinora, senta-se no banco, " estás satisfeita? Estás? Partiste o carro? "

Fomos em silêncio e de repente a Dinora diz: "Porra pá, eu confesso, não há nada como sair contigo, tenho o fim de semana acabado, vamos já começar a planear a fatiota de Sábado"

A próxima é amanhã...

O que quero, quando eu quero, aceitas?

Boa semana com FORÇA

Sem dúvida, os jogos que mais mexeram com Portugal, Scolari mexeu com o país todo, bandeiras em todas as varandas! Eu trabalhava num bar, em dia de jogo, era a loucura, nunca me diverti tanto a trabalhar atrás de um balcão! Sou o que quiseres... quando eu quiser.

domingo, julho 17, 2016

Ninguém abala a Pink Poison

Eu amo os meus amigos, luto por quem me trata bem até à minha última gosta de sangue, eu amo quem me ama, quem me respeita.
Mas não se metam comigo sem razão. eu sei bem quando perco a razão. E sei quando a tenho. Ninguém me manda abaixo. 






O que quero, quando eu quero, aceitas?

Tirei dúvidas

Mesmo todos nós sabemos que é impossível um refrigerante fazer bem para a saúde, a Coca-Cola verde realmente é mais saudável do que os outros refrigerantes da marca. Isso porque em sua composição há uma quantia reduzida de açúcar, por conta do tal adoçante de stevia.
Esse novo produto não apresenta riscos a saúde, a não ser que o consumidor tenha alguma contraindicação referente ao consumo de açúcar. Só para vocês terem uma noção, uma lata de Coca-Cola verde tem aproximadamente 18g de açúcares, contra 37g da Coca tradicional. Outra grande diferença notável dos dois produtos é a quantidade de calorias, enquanto a tradicional oferece 149 calorias, a Coca-Cola verde tem apenas 70 calorias. A nova versão do refrigerante está disponível  em lata, garrafas Pet de 1,5 litros e de 1 litro.
Fonte página Factos Desconhecidos (Facebook) 

O que quero, quando eu quero, aceitas?