sexta-feira, abril 15, 2016

Desamores II

"Quando M. teve aquele acidente, ia namorar ao país vizinho, ela soube e enquanto o amigo de ambos era operado, A e M estiveram no chão, ele deitado no colo dela, enquanto ela lhe dava pasteis de nata à boca. Porque M. não tinha mais certezas naquele noite e dia senão a de que A. estaria com ele a lavar feridas, a acalmar famílias e a esquecer-se da sua própria vida. M. sabia que A. era incondicional. Cada gesto seu o lembrava disso."

Sou o que quiseres... Mas quando eu quiser.

4 comentários:

  1. Boa tarde com votos de feliz fim de semana.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde AG. Um Bom fim de semana para si. Cumprimentos

      Eliminar
  2. São amores que a vida permitiu... ou que a vida não permitiu....!!!
    O que há é que provas de solidariedade são exímias construtoras da verdadeira amizade...

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.