quinta-feira, janeiro 07, 2016

Seremos nós

A mulher que todos querem que eu seja, jamais serei, isto com a idade vai mudando e uma pessoa começa a agradar quem está, quem faz falta, quem está no hospital horas à nossa espera com um lanche na mão, quem despe o pijama e sai do sofá para nos ir buscar pão quentinho, quem nos ama, quem nos abre os olhos, quem nos irrita: que se dane, ouve as verdades, aquilo que penso e sinto, pode ser mentira, verdade, é o que sinto. O meu monte Olimpo que tanto amo e estudo, a estupidez humana que teima em vir ao de cima num pântano cheio de crocodilos... Eu, ainda estou mais venenosa mas estou também mais amiga, mais amante, melhor filha...

 

Não sou superior, supero-me.

2 comentários:

  1. Nós somos o que somos...Será sempre assim...

    ResponderEliminar
  2. Quero mais miúda, de mim e das pessoas...

    ResponderEliminar

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.