sábado, janeiro 16, 2016

Não é suficiente

Tu, aí em baixo que observas o palco.
Tu, sim, que deixas vir os meus defeitos e qualidades à luz.  Farás tu de mim, a mulher que vai para o Monte Olimpo? Irás comigo?

Perguntas e mais perguntas, tudo simples sem perguntas, mas a vida sem palavras não faz sentido, a literatura, os textos, meras frases provam que viver não é suficiente.




Não sou superior, supero-me.

2 comentários:

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.