sexta-feira, agosto 09, 2013

Sem palco

Sem palco, por ser defesa, despi-me do palco que me elevava ao Monte Olimpo.
Um olhar penetrante nada me diz se não mostrar assertividade e confiança. Movo-me mais lentamente, estou em terra firme.
Firme em mim, naquilo em que acredito.
Nos sentimentos que nutro e são muitos, a palavra ódio é forte? O sentimento também. Em frente a tudo, a fuga é amiga, a raiva, escape e o sono, o alimento para os sentimentos continuarem. Seja.

Não sou superior, supero-me.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.