sexta-feira, outubro 05, 2012

Mulher na Bruma

Uma mulher na bruma,
Na bruma de mundo que é o que tem, que poucas coisas acha justas, que poucas pessoas ama e que sente ódio/amor/raica/pena... Sente tudo que o seu coração permite, ainda que os outros se julguem no direito de dizer que não deveria...
Não se deve odiar quando o alvo é merecedor?
Não se ama quando o coração chama?
Esta mulher, quer gostar e amar deuses, escritores, analisar até ao mais infímo pormenor tudo em todos, esquecendo de si grande parte do tempo.
Dramas
Gritos
O Sono da Tristeza
Na bruma da vida e do mundo, espera pelo seu cadeirão rosa no Monte Olimpo onde se decide se Vasco da Gama chega ou não via mar à Índia, ter à sua frente a perfeição de deuses, um mundo de filosofia, de pensares.
Os opostos existem e a linha que os separa é 1000 vezes mais frágil que a linha da teia d euma aranha.

Não sou superior, supero-me.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade. Nietzsche
Debita aqui algum bálsamo.